MENU

COLUNISTAS


Geral

LÚCIO FLÁVIO




 
 

Sábado, 21/04/2018, às 06:00

Heróis da Pátria

Liberdade. Por esse ideal os homens sonham, lutam e morrem desde o início dos tempos até hoje. Liberdade ainda que tardia, como estampado na bandeira criada pelos inconfidentes mineiros. Por esse sonho morreu Tiradentes, o primeiro herói brasileiro, devidamente inscrito no Livro dos Heróis da Pátria. Devíamos aproveitar o feriado que o homenageia para refletir mais sobre a importância da liberdade, especialmente quando alguns desejam a volta do regime militar. Mas hoje temos liberdade de ir e vir, de expressão, religiosa e até sexual. Liberdade para divergir, pensar, associar-se a outras pessoas, reuni-las sob um mesmo ideal. Não nos falta liberdade. E normalmente é assim: só damos valor a algo quando o perdemos.

A luta hoje não é por mais liberdade, mas não faltam ideais. Lutamos por melhores condições de vida, na saúde, na educação e na segurança. E mais e melhores empregos. Quem não quer também um país com menos desigualdade social? Isso é tão claro que político que se preze não pode deixar de prometer essas coisas na campanha eleitoral. Mas uma novidade tem aparecido, de uns anos para cá, com mais ênfase em protestos e manifestações: o fim da corrupção. Estamos fartos da roubalheira, mas já que é impossível acabar com ela, pelo menos que se acabe com a impunidade. Isso vale para quem está à esquerda, à direita, ao centro, em cima e embaixo. Deve valer para todos.

Por isso, os heróis da nossa época são todos aqueles que lutam para acabar com a impunidade e com a corrupção. São as pessoas simples que, apesar de todas as dificuldades, continuam fazendo seu trabalho honestamente. Todos os que não desanimam, apesar dos péssimos exemplos que continuam a vir da maioria dos nossos representantes políticos. São, especialmente, os promotores, procuradores, juízes, desembargadores e ministros que conseguiram prender desde os maiores empreiteiros e políticos do país até um ex-presidente. Todos aqueles simbolizados na figura corajosa do juiz Sérgio Moro, esse que, no futuro, deveria também ter seu nome inscrito com destaque no Livro dos Heróis da Pátria.   


Catarinense no Livro

Uma nossa conterrânea ilustre também faz parte do Livro de Heróis e Heroínas da Pátria. Trata-se de Anita Garibaldi, incluída em 2012 e retratada como heroína da Guerra dos Farrapos. O livro de aço, que contém a biografia resumida dos heróis brasileiros, está depositado no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Tancredo Neves
Projetado por Oscar Niemeyer, o memorial é dedicado às pessoas que se destacaram na luta pela liberdade em nosso país. Leva o nome do ex-presidente, que morreu há 33 anos, também num dia 21 de abril, porque a ideia de erguer o monumento surgiu durante o velório de Tancredo Neves e, certamente, por seus ideais democráticos, demonstrados em sua trajetória política.

Sobre os ideais
Fecho essa coluna que fala em heróis e seus sonhos com a intervenção corretíssima do poeta português Fernando Pessoa: “Nasce o ideal da nossa consciência da imperfeição da vida. Tantos, portanto, serão os ideais possíveis, quantos forem os modos por que é possível ter a vida por imperfeita.”




OUTRAS COLUNAS









MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL