MENU

COLUNISTAS


Etiqueta

ESTELA MAURA




 
 

Ontem, 25/03/2019, às 06:00

COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA

Comunicação não-violenta é um tipo de comunicação que facilita reconciliações e um melhor entendimento entre pessoas, a partir de uma técnica que envolve empatia e escuta com atenção plena. Durante um diálogo, é normal ouvir o discurso do interlocutor. Entretanto, pode acontecer de o ouvinte não prestar atenção no que está sendo mencionado e utilizar o tempo de escuta para aguardar a oportunidade de contrapor tudo o que foi dito pelo outro. É como se a pessoa fingisse estar atenta ao que está sendo dito, enquanto elabora dentro do si as respostas para expor e impor seu modo de pensar sobre aquele determinado assunto, sem flexibilidade para absorver ideias ou mudar de opinião. Este tipo de conduta não é o mais indicado, por alterar o ritmo da conversa e promover irritabilidade ou discussões. Afinal, dar uma opinião sem entender o outro lado da história pode conotar indiferença, ou até prepotência.
Rosemberg, autor da técnica de comunicação não-violenta, diz ser fundamental observar o que o outro tem a dizer sem julgá-lo, pois cada um tem razões pessoais para dizer ou agir de determinada maneira. Contudo, manter uma conversa com desinteresse, respostas atravessadas ou gestuais deselegantes pode interferir no emocional e na qualidade de relacionamento das pessoas envolvidas. Palavras inadequadas ou atitudes agressivas desencadeiam sentimentos e sensações desagradáveis. É interessante, portanto, buscar no estilo de comunicação pessoal de cada indivíduo as causas e gatilhos que desencadeiam reações, como nervosismo, medo, raiva, descontentamento, tremor, dor de barriga, mãos geladas, suor em excesso etc. Também é preciso uma pausa para perceber o que está acontecendo com ambas as partes, e retomar o diálogo com mais sintonia e civilidade. A partir deste momento, vale praticar a empatia, ou seja, se colocar no lugar do outro. Gentileza, respeito e consideração também são sempre muito bem-vindos dentro de um núcleo de convivência. A comunicação não-violenta tem sido citada na mídia com frequência, por seu efeitos benéficos. Ela pede uma linguagem apropriada, educada e calma. A última etapa desta técnica é caracterizada por um apelo específico e sincero para que não permaneçam dúvidas e suscite, entre as pessoas em questão, um clima harmonioso.
Este recurso é simples e rico em detalhes, somando-se a outras muitas técnicas de linguagem para quem quer se comunicar mais ou melhor, ampliar seu network e manter boas conexões.




OUTRAS COLUNAS









MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL